Fibromialgia, entenda mais!


A fibromialgia é uma das doenças reumatológicas mais frequentes, cuja característica principal é a dor musculoesquelética difusa e crônica. Além do quadro doloroso, alteração da qualidade do sono e do humor, fadiga, parestesia, cefaleia, edema subjetivo, rigidez articular, tonteira, zumbidos, precordialgia atípica e alterações digestivas e distúrbios cognitivos. É frequente a associação a outras comorbidades como a depressão, a ansiedade, a síndrome da fadiga crônica, a síndrome miofascial, a síndrome do cólon irritável e a síndrome uretral inespecífica, que contribuem com o sofrimento e a piora da qualidade de vida destes pacientes.

Somente há três décadas a fibromialgia tem sido seriamente pesquisada. Pouco ainda é conhecido sobre sua etiologia e patogênese. Até o momento, não existem tratamentos que sejam considerados muito eficazes. O American College of Rheumatology (ACR) em 1990 defi niu os critérios de classificação da FM, e estes foram validados para a população brasileira. Esses critérios são:

  • dor generalizada em pelo menos três dos quatro quadrantes corporais nos últimos 3 meses e

  • dor localizada à palpação em pelo menos 11 dos 18 trigger points, que são locais dolorosos preestabelecidos.

A fibromialgia é uma síndrome primariamente pesquisada e tratada por reumatologistas principalmente por envolver um quadro crônico de dor musculoesquelética, mas frequentemente estes pacientes requerem um acompanhamento multidisciplinar com o objetivo de alcançar uma abordagem ampla e mais completa de seus sintomas e comorbidades.

O diagnóstico da fibromialgia é exclusivamente clínico e eventuais exames subsidiários podem ser solicitados apenas para diagnóstico diferencial.

Mudança no estilo de vida, atividade física regular, suporte psicológico e utilização de drogas específicas podem alterar o curso da história natural da doença e aliviar o sofrimento do paciente.


Tratamento não medicamentoso

Os pacientes com fibromialgia devem ser orientados a realizarem exercícios musculoesqueléticos pelo menos duas vezes por semana:

Referências Bibliográficas

http://www.scielo.br/pdf/rbr/v50n1/v50n1a06

http://www.scielo.br/pdf/rbr/v51n4/v51n4a06.pdf

http://bases.bireme.br/553879

Siga-nos
  • Facebook Basic Square
  • Instagram Social Icon
  • Twitter Social Icon
Recent Posts